segunda-feira, 31 de janeiro de 2011

IR À FONTE

Entardecer seringal Pacujá - Rio Tarauacá
Estou a fazer seis anos fora do Acre. A cada ano que volto minha alma se renova. Ela então renasce das barrancas como a fênix das cinzas. Sou menino de seringal aprendendo a olhar o mundo, vasto mundo, como diria Drummond, mas não sirvo para rima. Remar é o que sabe um filho dos rios. Remar para viver. Viver para amar. Pois afinal, amar é como um rio, raso, profundo, belo, atraente, porém, a esconder mistérios, perigos. Os rios me fizeram o que sou. Pariu meus pais. Construiu uma história. Fez um povo.

E do alto, quando o pássaro metálico atravessa os céus, o que se ver são os rios, abrindo caminho por entre o tapete verde, serpenteando, a encenar, no anfiteatro amazônico, o balé cósmico dos seres.

Pois bem, cheguei a Rio Branco dia 08 de Dezembro, num voo de BH, com escala em Porto Velho. Nossa capital está uma cidade bonita. É verdade que se tem muito a fazer, a melhorar. Mas são visíveis os seus avanços, a estética tem sido um diferencial. Como não se encantar com o centro histórico, as bibliotecas, o Calçadão da Gameleira...

Às margens do Rio Acre
um aperto sentir em meu peito
e, por um momento, juro que vi,
os navios gaiolas a atracar
uma multidão a acenar
outras a chorar...
vi balsas de borracha
vi seringueiros,
vi os catraieiros pra lá e pra cá...
Levantei,
suspirei,
e comecei a chorar...

Invisto boas horas nas bibliotecas, estas, além de belas, têm um acervo razoável. A Biblioteca da Floresta é coisa linda, moderna. Pena que o acervo ainda é pequeno. Ao contrário da Biblioteca Pública Estadual, que além de concentrar beleza e modernidade, possui um bom acervo, sobretudo, na minha área de paixão, as letras acreanas. Lá saboreei versos de Robélia Souza, as crônicas de Florentina Esteves... e passeei pelos nossos poetas, romancistas... numa viagem encantadora.
Biblioteca da Floresta Ministra Marina Silva - Rio Branco
Biblioteca Pública Estadual - Rio Branco
Museu da Borracha
Rio Branco
No Museu da Borracha, passei um dia inteiro debruçado sobre os jornais antigos de Tarauacá: O Departamento, Jornal Official, O Estado. Quanta coisa, meu Deus!, e tão pouco tempo. Tinha impressão que estava tocando a história, conversando com um amigo mais velho. Aquelas páginas estavam impregnadas de nostalgia. E de lá sai, amando ainda mais a história tarauacaense.

Para chegar a Tarauacá tomei um voo com destino a Cruzeiro do Sul, e depois um ônibus. Tarauacá deveria está uma das mais belas cidades do Acre. Porém, sofre, administrativamente, nesses últimos tempos. Mesmo assim, continua a terra de meu coração, a terra da esperança, a terra de gente forte. Estive no seringal Pacujá, no Rio Tarauacá, onde meus pais possuem uma pequena propriedade. Bons dias regalados a ingá de metro, pupunha, manga, graviola, pamonha. Sem contar as pescarias e outras cositas más.
Biblioteca Pública Estadual - Tarauacá
Fui à Biblioteca Pública. Haviam finalmente realizada uma reforma. Já que na última vez em que estive visitando-a estava em condições precárias (vede post). Possui um acervo razoável para a cidade. É verdade que boa parte da população, infelizmente, ainda não possui o hábito da leitura. Estive umas três horas seguidas e não vi entrar uma pessoa, sequer para empréstimo, pesquisa ou devolução. Era um período de férias, vou entender como justificativa.

Dia 27 de Janeiro retornei a BH. E comigo trouxe os versos do prof. Freitas em seus “Brados de Vida”, e o comentado romance do episódio do Tauari, “O Santo de Deus”, do mais novo imortal da Academia Acreana, Moisés Diniz. Porém, ainda espero receber do Moisés essa obra autografada. Estou a aguardar. Meu amigo Accioly me presenteou com o magnífico CD “Visões” de Rogério Craveiro. Um trabalho belíssimo e de alta qualidade, de um dos mais respeitados músicos tarauacaenses.

Assim vivi esses dias, na certeza de que a distância separa, mas o coração une. Volto fortalecido, renovado. Sou bendito! Deus me deu uma alma acreana...

Não quero ouro nem prata
me basta ser útil a humanidade
e saber servir
e saber amar
e saber perdoar...
Deus já recompensou
este filho da raça humana
dando-me uma alma acreana!

3 comentários:

Lu disse...

Uau...Uau! Que belas palavras....que amor sublime por estas terras acreanas...amei tudo, que você escreveu, com sentimentos e poesia...divino, lindo, belo***

Amigo! Isaac
Um grande abraço pra vc! Tudo de Bom! FELICIDADES!!!!!!!!

Abraços,
Lu

Palazzo disse...

Puro sentimento,
assim como você.
Mantenha-se firme na missão.
abraços

Chagas Batista disse...

Esse menino do Rio das tronqueiras, do seringal Sumaré nos orgulha!

Show de bola Isac... Abraços amigo!