sexta-feira, 26 de agosto de 2016

NO PAIZ DAS AMAZONAS, 1922, Manaus-AM: o lendário documentário de Silvino Santos (1886-1970)


No Paiz das Amazonas (1922), lendário documentário de Silvino Santos (1886-1970) que trouxe às telas as primeiras imagens da Amazônia no início do século XX.

“... Inicia-se com vários aspectos da cidade de Manaus, vendo-se em pleno funcionamento seu belo porto com dois grandes paquetes de longo curso atracados ao flutuante e outros pequenos de cabotagem, os armazéns da Manaus Harbour em carga e descarga, os principais estabelecimentos comerciais e industriais e outros. Daí, o espectador se transporta aos grandes lagos do Amazonas... pesca do peixe-boi e do pirarucu e o beneficiamento da carne destes habitantes das águas amazônicas... mixira e mantas secas ao sol... extração da balata do Rio Branco e o preparo do látex. Termina esta parte com a exibição de um grupo de índios e índias peruanas, terrivelmente... decotadas, segundo a legenda do filme. Essa primeira série finaliza mostrando o que são os esplêndidos campos de criação do Rio Branco” (Estado do Pará, Belém, 28.12.1922)

“... Veem-se os pescadores do pirarucu e do peixe-boi, os trabalhos dos castanhais, os seringueiros, a vida rústica do sertanejo do extremo norte, as nossas riquezas florestais, os rios, as feras fluviais e as aves pulcras e elegantíssimas; o castanheiro colosso com as suas saborosíssimas amêndoas dependuradas e coroado de orquídeas... Depois vamos até Porto Velho no Madeira, até a divisa com a Bolívia, e vemos então a famosa estrada dos trilhos de ouro, a Madeira - Mamoré... Oferece a fita aspectos de Maués... o preparo do guaraná... desde a sua colheita até a modelagem das figuras que tão apreciáveis já se tornaram nos centros civilizados... Vamos subir o Rio Branco, onde a beleza do filme requinta na delicadeza de sua confecção... Depara-se-nos a Pedra Pintada, mole de granito que tem a altura de 150 metros... O espetáculo mais impressionante está para o fim. O regresso da expedição a Manaus, numa frágil embarcação a vapor, por sobre cachoeiras perigosíssimas, constitui a parte épica do filme.” (A Imprensa, Manaus, 16.12.1922)

COMENTÁRIOS: Único filme premiado com a medalha de ouro na Exposição do Centenário; em Maceió foi exibido com o título Terra das Amazonas; a vida do pioneiro cineasta Silvino Santos (1886-1970) foi retratada no filme O cineasta da selva, 1997, de Aurélio Michiles, onde cenas deste raro filme podem ser vistas. Prêmios: Medalha de Ouro na Exposição do Centenário da Independência, RJ, 1923.

> Veja mais detalhes aqui sobre o filme.
> Sobre Silvino Santos 

quinta-feira, 25 de agosto de 2016

DIFUSORA ACREANA – HOMENAGEM

Gilberto A. Saavedra – Rio de Janeiro 

Desde o seu surgimento na década de 1920 (22), o rádio tem um papel fundamental como integrador nacional na formação cultural do povo brasileiro. O rádio teve e ainda tem uma atuação importante na nossa sociedade, com bons serviços prestados à coletividade. O rádio chega aos 94 anos como o mais popular meio de comunicação de massa.

A Rádio Difusora Acreana, criada em 25 de Agosto 1944, pelo o então Governador do Acre, Silvestre Coelho, completa, agora, 72 anos de transmissão no Estado do Acre. Suas ondas tropicais são sintonizadas em toda Amazônia e limítrofes, prestando um relevante trabalho aos moradores das cidades, vilas, colocações e seringais desta vasta região.

A Difusora Acreana, durante todo esse tempo de existência teve sua programação direcionada ao homem do interior. Integrou barreiras até então completamente isoladas das civilizações mais modernas. O seu trabalho foi e continua sendo de suma importância para todos os moradores que habitam os mais distantes rincões do Estado do Acre.

No seu aniversário, uma homenagem singela pelo gigante esforço em se manter no ar, informando e educando os seus milhares de ouvintes. 

Poema


“A VOZ VIBRANTE DA AMAZÔNIA”
Gilberto A. Saavedra – Rio de Janeiro 27/06/2016
(Jornalista e Radialista)

Sentado no chão no piso da sala,
Deitado na rede, ou na cama,
Ao pé do rádio uma voz vibrante,
Em sonoras ondas hertzianas,
Ecoa-se pelos ares além do horizonte,

Quebrando a barreira do isolamento,
Da imensidão da gleba virgem,
Dos sem comunicação e exclusão,
Aos intrépidos homens da solidão.

Rádio Difusora Acreana.
“A Voz Vibrante da Amazônia”
A voz mais importante da floresta,
Preciosidade do sem fio acreano.

Tua voz ultrapassa o tempo e o vento,
E ameniza a solidão do homem do campo.
Tua voz chega suavemente,
Aos lares amazônicos.

Sempre traz esperanças,
Anunciando um novo amanhã,
Em sonhos materializados e felizes,
A esta angustiante brava gente.

Minha querida e amada voz doçura,
Mesmo Distante de ti,
Durante longo prazo,
Eu permaneço te seguindo.

Rádio Difusora Acreana.
Ah, como é bom te ouvir de novo!
Tuas sintonias, diariamente,
Marcaram para sempre,
Minha vida e o meu coração.

Sou feliz e grato a ti,
Em poder ter trabalhado contigo,
Em teus préstimos serviços,
Dado minha coparticipação,

Ao público em geral.
Obrigado!

RÁDIO DIFUSORA ACREANA.
“A VOZ VIBRANTE DA AMAZÔNIA”.

 


GILBERTO DE ALMEIDA SAAVEDRA é acreano. Reside atualmente na cidade do Rio de Janeiro. É jornalista e radialista, com uma história marcante no rádio acreano, de modo especial na Rádio Difusora Acreana.

quarta-feira, 24 de agosto de 2016

UMA NOITE DE MEDOS E MACACOS

Eliana Ferreira de Castela


            Assim que chegamos à casa da Nice e de Rosivaldo, casal que nos conquistou, na comunidade de Jamaraquá, juntamente com a beleza do local, fomos logo atar as redes. Uma colada na outra, tão juntas que o balançado era único para as duas, isso para manter a “eterna” inseparabilidade dos corpos, mesmo em redes separadas, mas quando o frio noturno apertava, uma rede sempre ficava vazia.

O redário fica embaixo de pequenas árvores no quintal, bem próxima à entrada da trilha que é utilizada para observação de árvores, como a samaúma ou de algum animal que venha a cruzar o caminho. Os visitantes são guiados por agentes da própria comunidade residentes na Flona. Rosivaldo, marido de Nice é um dos guias de turismo por ser um bom conhecedor das espécies vegetais.

Como era a segunda vez que nos hospedávamos com a família da Nice, já conhecíamos os atrativos noturnos do lugar, tais como, o céu estrelado, o luar, os cantos dos pássaros de hábitos noturnos, o medo da onça e de outros animais que poderiam, segundo a imaginação, chegar até o redário, tudo era atrativo. Por isso, com ou sem lua, as noite em Jamaraquá foram quase todas em claro.

Mesmo durante o dia a floresta é um mistério, a folhagem de árvores de tamanhos diversos tece uma cortina fechada, ultrapassada apenas pelos sons, ou quando os raios do Sol descobrem frestas entre as folhas, tornando o ambiente mais iluminado.

À noite, os sons que têm o silêncio como pano de fundo, combinados com a escuridão, potencializam o que já é misterioso durante o dia. Se não se dispõe de algum recurso para iluminação, somente a claridade da lua ajuda a enfrentar o escuro da floresta. Independente de qualquer luz, os mistérios ficam escondidos nas sombras das árvores e em nossa imaginação. A floresta à noite é o habitar de seres reais, lendários e imaginários. Uma folha que cai promove ruídos que torna qualquer pessoa medrosa ou não, desperta.

Se esse todo mistério é conteúdo para muitas histórias que nos levam à divagações ou a provocação do medo, muito mais conteúdo oferece, quando os ruídos noturnos comuns, são silenciados por uma orquestra estrondosa, com vozes indecifráveis para quem mora na cidade. Sons que harmoniosamente vão variando em volume e tonalidade, que se aproximam e distanciam dos ouvidos, como se o vento fosse o regente.

Mas a impressão de que o vento é o responsável, se desfaz quando a partir de um grito, que se destaca dos demais sons, faz quedar um silêncio também assustador, fechando assim a cortina do palco imaginário com sons reais. A orquestra se encerra deixando a pergunta - o que será que vai acontecer agora?

Permanecemos intactos e na expectativa da chegada de um bando de… Sabe-se lá o que! A imaginação frutificava, os bichos poderiam estar se aproximando, invadiriam o redário, passariam por nós destruindo tudo, seguiriam os seus instintos de acasalamento ou seja lá o que fosse, mas nos destruiriam. Com uma curiosidade latente ficamos no aguardo de mais acontecimentos, numa espera inútil que devorava a noite sem abreviar a aurora, o espetáculo chegara mesmo ao fim.

Foi difícil retomar o sono, o que só ocorreu quando o dia espreguiçava-se para despertar. Somente no café da manhã, o mistério foi desvendado, os cantores noturnos que nos fizeram perder o sono, eram integrantes de diferentes bandos de macacos guariba.

O espetáculo foi dado sequência pela manhã, quando alguns macacos zog zog também soltaram a voz. Rosivaldo disse - os macacos da noite também visitaram a casa, ontem à noite. Descrever esse espetáculo, com a mesma emoção que sentimos é algo impossível, o universo de fauna e flora, encanta e amedronta quem desconhece a floresta. Mas para quem mora na Flona, nada mais é que um evento comum, incapaz de tirar o sono de qualquer morador.


O necessário mundo das crenças


Nice é liderança em sua comunidade, por quatro anos presidiu a associação do Jamaraquá. É liderança também em sua família, todos recorrem a ela em busca de ajuda em qualquer situação. Após o jantar a conversa, ainda à mesa, era esticada por contações de histórias verdadeiras, que nas cidades são chamadas de lendas.

Aquele era o momento em que afloravam conversas repletas de simbologias, crendices e vivências. Uma das noites as crendices foram aprofundadas, a partir da chegada de um dos irmãos de Nice, ele buscava ajuda por haver sido picado por um escorpião, contorcia-se de dor.

Quando o irmão chegou, não entrou na casa, ficou no quintal, no escuro chamando pela Nice, ela ainda estava jantando e respondia ao chamado do irmão, pedindo que ele entrasse, mas ele permanecia lá fora, até que ela levantou-se e foi ao quintal saber o que se passava. Quando ela voltou para dentro de casa, soubemos que ele não entrou porque a filha da Nice, Pricila, estava grávida, e de acordo com o que eles acreditam, se alguém for picado por escorpião e ver uma mulher grávida, a dor aumenta consideravelmente, tornando-se insuportável e podendo inclusive, levar à morte do doente.

Nice teve que interromper o jantar, para preparar diferentes remédios que fizessem parar a dor do irmão. Ralou caroço de abacate e fez um forte café, que foram colocados sobre o local ferido. Sem sucesso, alguns parentes levaram o rapaz para a casa da mãe dele que ficava também na vizinhança, pois ela tinha a gordura da cobra jiboia, remédio infalível, segundo a Nice.

Senti uma angústia diante daquela situação, pois apesar da tecnologia que favorece os transportes e a comunicação haverem chegado até a Flona atualmente, ainda impera a dificuldade para o atendimento de saúde emergencial, principalmente à noite, quando não se dispõe de transporte público.

No local não existe um posto de saúde que possa oferecer atendimento de primeiros socorros, com medicamentos para dor, até que o doente possa chegar a um centro apropriado. Poderia se dispor de um profissional que seria chamado no momento necessário, já que o uso de telefones celulares e motocicletas é amplamente utilizado pelos moradores. Alguma medida simples que fugisse aos padrões políticos dos governantes, onde primeiro é preciso realizar uma construção para que o serviço seja oferecido. Mas o que estou mesmo a falar? Se até nos centros das capitais brasileiras, o atendimento à saúde é precário. Há menos vontade política, de que as reais condições de oferecer os serviços públicos.

O ocorrido com o irmão da Nice trouxe à reflexão de como a tecnologia que chegou até a floresta, não levou o suficiente para resolver pequenos problemas de seus moradores, mas pode se levantar a hipótese, de que contribuiu para a perda do conhecimento tradicional. Conhecimento que sofreu interrupção pelo desuso e desrespeito, entre outras razões. Como podemos acreditar nas políticas de “saúde para todos”, municipalização da saúde, descentralização de ações e outras falácias, frente à realidade?

Histórias, consideradas lendárias na nossa concepção citadina, envolvem os moradores da floresta e alguns animais como, cobras, jacarés e onças por exemplo. Ainda naquela noite de vivências e crenças, eles contaram que recentemente mataram uma cobra sucuri, com mais de cinco metros de cumprimentos e cerca de cinquenta centímetros de diâmetro, após matá-la eles abriram o animal e encontraram “quarenta e seis ovos”, que segundo o filho de Nice, Rosivan, pareciam ovos de avestruz.

Embora a sucuri seja vivípara, a história contada acomoda-se bem num ambiente, onde as espécies são diversas e seus nomes e características, são também adversos. São histórias banais nas comunidades do Jamaraquá, Maguari, São Domingos e outras localidades da Amazônia que constroem o universo dos habitantes das florestas, num misto de experiências e lendas, que compõem a verdade local.

A última noite em “Jamaguaringos” foi na propriedade de Luiz, da comunidade de São Domingos. Com as redes armadas no redário que fica bem ao lado da casa da família e desvendados alguns dos ruídos noturnos, dormimos sem medos, sem ruídos e sob um céu estrelado, o que nos permitiu deixar os mistérios da floresta invadir as redes e sonhos, para nas primeiras horas do dia seguinte retornar à Santarém. Mas o leitor não pode esquecer que “Jamaguaringos” é o nome que eu e o Jorge criamos para englobar as três comunidades de Jamaraquá, Maguary e São Domingos, portanto, não perca o tempo procurando este nome nos mapas.

Enquanto esperávamos o ônibus, antes do dia clarear, em frente a casa de Luiz, um tatu veio nos espiar, mas fugiu assustado quando o descobrimos. Ali chegava ao fim a melhor experiência que vivenciei, confirmando as convicções de que é possível viver com muito menos consumo, de roupas, “incrementos alimentares”, cosméticos, embalagens, sem perder os bons hábitos de higiene e de comer bem. Assim como a certeza de que é possível, viver com mais silêncio, calma, alegria, segurança, saúde mental e a paz que é relegada por uma vida urbana, atropelada e financeiramente tumultuada. Posso garantir que não estou sendo romântica.

Ao longo de toda a área da Flona que estivemos, tanto nas praias, quanto na estrada, observamos a grande presença de lixo como, garrafas, latas de refrigerantes e de outras bebidas, sacolas plásticas entre outros resíduos sólidos. Motivo que ocupa um bom tempo do barqueiro Paulo Ganv, da Nice e de outros moradores locais, na limpeza ambiental. Durante o tempo que escrevi este trabalho, enviei alguns e-mails para o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade - ICMBio e para a unidade do órgão, na Flona, com o fim de obter dados sobre o número de pessoas que visitam aquela unidade de conservação - Flona Tapajós, mas o único retorno que recebi, é que meu pedido seria atendido, mas não foi.


* Quarta crônica que integra o livro, ainda não publicado, intitulado “Pelos rios ao sabor da fruta”, relato da viagem dos artistas Eliana Castela e Jorge Carlos, realizada no período de setembro a novembro de 2015, do Acre ao Ceará, com paradas em algumas cidades, a buscar a relação que se estabeleceu entre as pessoas da Amazônia e do Nordeste, a destacar as condições de vida das populações na atualidade. ELIANA CASTELA é natural de Rio Branco. Ativista cultural, é formada em Geografia (bacharelado e licenciatura) pela UFAC, especialista em História da Amazônia e mestre pela Universidade Federal de Viçosa. Leia aqui a terceira crônica da série.